domingo, 16 de março de 2008








Com Muito orgulho o Musica da Minha Gente, traz para voces esta discografia inpecavel de Virginia Rodrigues um exemplo de simplicidade e força de uma guerreira, ha quem a compare com Clementina, ha quem diga que hoje é a melhor do mundo, eu simplesmente digo, igual a ela nao há, por isso baixem, ouçam e sintam, deixe sua voz passear em suas mentes e deleitem-se...

Lado B

Saravá


A voz de Virgínia parece um orixá na terra, como é descrito nas lendas: com toques de uma humanidade já esquecida... é como se sua voz nos lembrasse de algo que não está na memória, de tão antigo, de tão belo.
A sua aprendizagem foi feita de uma maneira informal, crescendo a cantar em coros de igrejas católicas e protestantes e em cerimónias de Candomblé, até ser descoberta pelo Bando do Teatro Olodum que a convidou para integrar os seus espectáculos.
Em 1997, durante um ensaio de “Verónica”, uma representação desta companhia bahiana, alguém começou a chorar ao ouvir a voz de Virgínia Rodrigues. Essa pessoa era Caetano Veloso que, juntamente com Marcio Meirelles, encenador do Olodum, se encarregou de a dar a conhecer ao mundo.
A ex-manicure saída de uma favela de Salvador realizou, em um ano, duas turnês pelos Estados Unidos, shows na Europa e foi entrevistada por David Byrne, ao vivo, na televisão americana. Nos Estados Unidos, Europa e Japão, o primeiro disco de Virgínia saiu pela gravadora Rykodisc, de propriedade de Cris Blackwell, o mesmo que popularizou nomes como Bob Marley, Peter Tosh e U2.
Depois de anos cantando em coros de igrejas católicas e protestantes, ela havia sido convidada pelo diretor Márcio Meireles para participar da peça Bye Bye Pelô, onde Caetano a viu pela primeira vez. De origem humilde, Virgínia traz referências populares e líricas do que ouviu na infância e juventude. O resultado é que seu canto vagueia entre o erudito e o popular. As músicas foram escolhidas por Virgínia, Caetano e Celso Fonseca, e inclui canções como Noite de Temporal, de Dorival Caymmi, além das participações de Djavan, Gilberto Gil e Milton Nascimento. Sol Negro foi bem recebido nos Estados Unidos e na Europa, tendo, inclusive, sido elogiado nos jornais The New York Times, Le Monde e na revista Rolling Stone. Nós, Virgínia homenageia os blocos afro de Salvador. Seu canto primoroso e sofisticado entoa músicas do Ilê Aiyê, Olodum, Timbalada, Ara Ketu e Afreketê. O The New York Times já a definiu como "uma das mais impressionantes cantoras que surgiu do Brasil nos últimos anos".
Seu ultimo disco - Mares Profundos vaguei pelos afrosambas de Baden e Vinicius, de uma forma singular e perfeita está sim entre as melhores do mundo.
Virginia está preparando novo trabalho sem data de lançamento, mas com o adiantamento de que vai ser lançado pela gravadora biscoito Fino, o mesmo de nomes consagrados como Maria Bethania e Paulinho da Viola.

7 comentários:

LONDON CAFÉ disse...

Parabens pelo trabalho.
Como é bom encontrar um material tão belo na internet, e o melhor, acessivel.
Parabens mesmo.
Muita luz pra ti.

josé guilherme disse...

Quero ouvir estas musicas desta Diva que é Virginia que a descobri através de um grande amigo Paraense. Como ouvi-la????

josé guilherme disse...

Quero ouvir estas musicas desta Diva que é Virginia que a descobri através de um grande amigo Paraense. Como ouvi-la????

riozp disse...

os links no 4shared não funcionam mais......

riozp disse...

infelizmente os links no 4shared não funcionam mais

" O Começo" disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
" O Começo" disse...

Eu achei esta página onde consegui baixar... espero que vcs gostem...abraço!

http://turcoluis.blogspot.com.br/2008/11/virginia-rodrigues.html