domingo, 13 de abril de 2008

Monsueto Menezes - Mora Na Filosofia Dos Sambas De Monsueto - 1962

Monsueto, foi justamente um bom vivant, porque? Porque foi uma das poucas pessoas que passou por varias vertentes da musica, como todos os melhores fez de tudo um pouco, por isso sua memoria deve sempre estar presente nos corações e mentes dos bons colecionadores, e nao gostaria que fosse esquecido assim, por isso, pelo amor do nosso Santo Deus, baixem esse disco pelo bem da boa musica, Deleitem-se!!!
Saravá!!!
Lado B

Percussionista, cantor, ator comediante, foi também um excelente pintor naïf no fim de sua curta vida (Pablo Neruda, certa vez, adquiriu um quadro dele). Foi, sobretudo, um compositor popular da pesada, dos melhores que o Brasil já teve.
Sambista que transitava por todas as escolas de samba sem ser diretamente vinculado a nenhuma, é o autor de sambas clássicos como "Mora na Filosofia" e "Me Deixa em Paz". Nascido no morro do Pinto, tocou como baterista em alguns conjuntos, inclusive no Copacabana Palace. Seu primeiro grande sucesso foi "Me Deixa em Paz" (com Airton Amorim), gravado em 1952 por Marília Batista. Em seguida outros intérpretes gravaram outras composições de sua autoria. Atuou também em cinema e na televisão, onde interpretava o popular personagem Comandante, na TV Rio. No fim da década de 60 passou a dedicar-se mais à pintura primitivista, participando de exposições e recebendo prêmios. Em 1970 participou da gravação de "Na Tonga da Milonga do Kabuletê", que marcou o início do êxito da dupla Toquinho/ Vinicius de Moraes. Depois de sua morte outros cantores e compositores regravaram suas músicas, dando a Monsueto o merecido destaque. Alaíde Costa gravou "Me Deixa em Paz" no disco "Clube da Esquina", de Milton Nascimento, Caetano Veloso gravou "Mora na Filosofia" no disco "Transa", e muitos outros.

Download: Monsueto Menezes - Mora Na Filosofia Dos Sambas De Monsueto - 1962

2 comentários:

osrevni disse...

Obrigado por esse disco. Para dar uma ideia de como estou contente de tê-lo baixado, vou contar uma história que me ocorreu:

Eu era adolescente, meados dos anos 90. Só sabia ouvir CD, vá lá, algumas fitas, mas resolvi aprender a usar a velha vitrola de minha irmã primogênita (veja como somos velhos, ainda não existia mp3, hehehe).

Acabei desempoeirando um vinil do MPB4 que pertencera a meus pais, e cuja primeira faixa era um pot-pourri (atenção, não pronunciar pout-pourri) de músicas do Monsueto. Gostei tanto das letras, que resolvi investigar quem era aquele compositor. Google, claro, ainda estava longe de existir.

Fui a uma loja de discos e vivi uma cena típica de tirinhas do Angeli. Perguntei à vendedora: "vocês têm algum disco do Monsueto?"

Ela me olhou com aquela cara de paspalho que só vendedores sabem fazer. E respondeu: "Não conheço. Pode procurar. Rock internacional é ali".

Nunca tinha encontrado um disco inteiro de Monsueto e, sinceramente, achava que ele nunca tinha gravado. Acabei esquecendo de toda a história e me contentei com gravações de outros artistas, uma num disco aqui, outra noutro disco ali.

Esse post fechou um ciclo da minha vida. Estou agora mesmo escutando "A fonte secou", feliz da vida.

Um abraço, e continue, por favor, com a maravilha deste blog.

Saravá!
Diego

nada desta vida disse...

o monsueto é uma pérola deslumbrante da música do universo. rara e única. felizmente existem pessoas que conhecem e assim tornam-se pessoas mais felizes. aproveito para divulgar outro grande movimento artístico que aconteceu e no brasil nos anos 70: http://youtu.be/hJ3Ib_XGXOc