quinta-feira, 8 de maio de 2008

Jair Rodrigues - Jair - 1967


Precisam fazer reverencia antes de baixarem este disco, postei este com muito orgulho,mas com muito mesmo, um na minha opiniao injustiçado, ams que cruzou gerações sempre na ativa e com simpatia impar que com certeza causou inveja a muitos em sua carreira, este disco é perfeito, espero que gostem pois eu adoro, basico pra discoteca de cada um e para aqueles que apreciam a boa musica,deleitems-e!!! Saravá!!! Lado B


Jair Rodrigues de Oliveira, paulista de Igarapava, nasceu em 06 de Fevereiro de 1939 e gravou seu primeiro disco (78rpm) em 1962 com duas músicas para a Copa do Mundo do mesmo ano: “Brasil Sensacional” e “Marechal da Vitória”. Mais tarde, amigo do Rei Pelé, gravou uma de suas composições, acompanhado pelo próprio.
Sua carreira musical, que agora está completando 40 anos, passa pela primazia de ter sido o primeiro grande cantor a gravar e fazer sucesso com os sambas de enredo das escolas do Rio (“Bahia de Todos os Deuses”, “Martin Cererê”, “Pega no Ganzê” e “Tengo Tengo”). Além da “tabelinha” vitoriosa com a “ponta de lança” maior da MPB, Elis Regina. Conquistando o Brasil e o mundo com o famoso “Dois na Bossa”. Em discos, shows e programas de TV.
Nos festivais de música Jair foi Campeão Brasileiro em 1966 com a imortal composição de Geraldo Vandré e Théo: “Disparada”. Excursionou (desde o Festival do MIDEM de 1971) pela Europa, Ásia e América. No Brasil já participou de mais de 90 LPs com montagens e intervenções especiais. Seus discos são lançados em vários países europeus, asiáticos e sul-americanos. Destaque para gravação ao vivo no famoso Olympia de Paris.
Jair pode ser considerado o artista que mais apresentações fez na história do show business tupiniquim. Não existe cidade no Brasil que não tenha conhecido, ao vivo, a arte & o engenho desse “artilheiro mor” do time consagrado da MPB.Considerado o primeiro artista brasileiro a gravar um rap – aquele célebre que diz “Deixe que diga, que pense, que fale...” – Jair Rodrigues já fez de tudo antes de se tornar um ícone da MPB. Depois de ser pedreiro, engraxate e mecânico no interior de São Paulo, Jair ingressou na música através de um programa de calouros da Rádio Cultura, já morando na capital. Começou a atuar como crooner até lançar seu primeiro disco, no início da década de 60. Comandou durante algum tempo o programa O Fino da Bossa, com Elis Regina, com quem gravou três discos. Em 66, sua interpretação de “Disparada” dividiu o primeiro lugar com “A Banda” de Chico Buarque no Festival da Record.

Download: Jair Rodrigues - Jair - 1967

Um comentário:

Ennião disse...

Cara! Esse álbum é difícil de achar. Tenho alguns do Jair aqui mas esse é demais! valeu!